Revista do Vestibular da Uerj
Uerj DSEA SR-1
Rio de Janeiro, 25/07/2024
Ano 12, n. 32, 2019
ISSN 1984-1604

Inicial » Artigos » O Vestibular e a Graduação na Uerj

Artigos

O Vestibular e a Graduação na Uerj, por Lená Medeiros de Menezes

Ano 9, n. 25, 2016

Autor: Lená Medeiros de Menezes

Sobre o autor: Lená Medeiros de Menezes foi Sub-reitora de Graduação da UERJ e professora titular de História Contemporânea do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – IFCH/UERJ . É doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (1995) e Pós-Doutora pela PUC-SP (2007). É autora de dois livros, sendo um premiado pelo Arquivo Nacional, além de vários capítulos de livros e artigos publicados no Brasil e no exterior.

Publicado em: 07/11/2016

Revista do Vestibular: A criação da Revista Eletrônica do Vestibular da Uerj é resultado de uma ação que visa a fortalecer a interface entre a universidade e o ensino médio. Em que medida a senhora acredita que a Revista possa contribuir para a formação acadêmica dos estudantes, e não apenas para prepará-los para o concurso?

Lená: Com a Revista Eletrônica, a UERJ, através do Departamento de Seleção Acadêmica da Sub-reitoria de Graduação (DSEA/SR-1), mais uma vez, assume a vanguarda no tocante aos concursos vestibulares, oferecendo a vestibulandos e futuros vestibulandos uma forma alternativa de encontro com o conhecimento, uma possibilidade diferenciada de enfrentamento de suas dificuldades acadêmicas e um novo canal de diálogo com a Universidade. Pelo acesso a colunas, entrevistas e artigos escritos por especialistas e, acima de tudo, pelo acesso aos comentários das bancas sobre os exames já realizados, os alunos do ensino médio – e os leitores em geral – terão a oportunidade de vivenciar, na interatividade, um caminho inovador de aprendizagem. Ao estabelecerem pontes entre o conhecido e o desconhecido, todos estão convidados a trilhar esse caminho rumo a novos patamares do conhecimento. A Revista Eletrônica do Vestibular da UERJ, assim, significará um espaço de contato da sociedade com a UERJ e seus docentes, permitindo que a Universidade exerça o papel que lhe cabe de elemento dinamizador no processo de melhoria acadêmica dos estudantes do ensino médio.

Revista do Vestibular: Que universidade o futuro aluno vai encontrar e o que ele pode esperar dela?

Lená: Antes de mais nada, o futuro aluno encontrará uma Universidade que quer e pode vir a ser a grande referência acadêmica no estado do Rio de Janeiro, apesar de todos os problemas de financiamento que possui. Ele irá se deparar com uma Universidade em franco processo de transformação, com o ensino de graduação reassumindo sua importância no contexto da instituição, ao se abrir às inovações capazes de propiciar tanto uma formação profissional quanto uma formação humanística de qualidade.

Revista do Vestibular: Considerando que a melhoria contínua é um objetivo a ser perseguido, que ações a Uerj vem desenvolvendo em relação aos seus cursos de graduação?

Lená: Em primeiro lugar, é necessário dizer que a nova administração da UERJ parte da concepção de que um ensino de graduação de qualidade é a base para qualquer projeto competente de Universidade. A partir dessa concepção, vimos fazendo uma avaliação profunda dos pontos de estrangulamento existentes, visando a intervir de forma a superar os problemas detectados. Trabalhando em muitas direções, a Sub-reitoria de Graduação, por meio do trabalho desenvolvido em seus departamentos e contando com a colaboração ampla de professores, técnicos-administrativos e alunos, vem implementando ações que pretendem tanto a redefinição de projetos já existentes quanto a elaboração de projetos de inovação que apontem na direção de um ensino de Graduação capaz de enfrentar os desafios colocados pelo mundo contemporâneo. Dentre estes projetos, figuram processos continuados de acompanhamento e avaliação curricular, propostas de novos cursos, incentivo à pesquisa no nível da graduação, expansão na oferta de bolsas e auxílios aos  estudantes, reforço aos projetos direcionados aos alunos cotistas e, como não poderia deixar de ser dito, projetos inovadores no tocante ao Vestibular, entre os quais se inclui a Revista Eletrônica.

Revista do Vestibular: A Uerj é a universidade pública que talvez tenha mais cursos noturnos em funcionamento. A senhora considera esse diferencial uma forma de inclusão?

Lená: A oferta de cursos noturnos há muito é um diferenciador da Graduação na UERJ e, com certeza, representa uma importante forma de inclusão de alunos que, sem essa possibilidade, dificilmente poderiam adentrar no espaço universitário. Podemos mesmo dizer que coube à UERJ, como universidade pública, um verdadeiro pioneirismo na oferta de cursos noturnos, permitindo ao trabalhador a continuidade de seus estudos. Possivelmente por conta dessa experiência, a instituição soube enfrentar, com competência, o desafio que significou o ingresso pelo sistema de cotas, outra importante ação no sentido de superar as desigualdades em termos de acesso à Universidade. 

Revista do Vestibular: O processo de seleção para os cursos de graduação por meio de vestibulares tem sido bastante questionado. Qual a sua opinião sobre o processo de vestibular em geral? E sobre o da Uerj em particular?

Lená: Muitos dos questionamentos sobre o vestibular têm sua razão de ser, não estão desprovidos de fundamento. De uma forma global – e não me refiro especificamente ao Vestibular da UERJ –, há distorções relacionadas não só ao processo de seleção, mas também ao sistema educacional como um todo. Entretanto, também devemos lembrar que nenhum instrumento de seleção pode ser considerado como caminho único, definitivo e final, pois é salutar que exista uma reavaliação constante dos próprios instrumentos de avaliação. Em um futuro mais próximo ou mais distante, superados os problemas hoje existentes nos níveis fundamental e médio, é possível que a avaliação da trajetória descrita pelo estudante nesses níveis de ensino seja um instrumento suficiente para o ingresso na Universidade. Consideramos o ENEM, por exemplo, já utilizado por algumas Universidades, um processo de avaliação a ser amadurecido, visto as grandes disparidades educacionais do país e as dificuldades existentes para estabelecimento de critérios únicos de aferição. 
Com relação ao Vestibular da UERJ, consideramos que o modelo existente é o melhor possível, representando um importante avanço nos critérios de ingresso aos cursos de graduação. Ao privilegiar dois momentos específicos no processo de seleção – um voltado para a avaliação de habilidades no domínio de conhecimentos interdisciplinares, o outro para a avaliação de habilidades no domínio de conteúdos específicos –, o concurso busca não só medir conteúdos do ensino médio como também avaliar se o candidato está ou não habilitado a ingressar no curso por ele escolhido.

Revista do Vestibular: Gostaríamos que a senhora deixasse uma mensagem para os candidatos do Vestibular Estadual 2009.

Lená: Apropriando-me das palavras de Guimarães Rosa, eu diria que o real “se dispõe para nós ao longo da caminhada”. Por essa razão, desejo aos candidatos ao Vestibular Estadual 2009 uma excelente caminhada em direção à Universidade. Que essa caminhada seja desprovida de angústias incontroladas ou sofrimentos exacerbados, mas que se realize em uma estrada pavimentada com paz, tranqüilidade e confiança; mais uma etapa a ser vencida no processo de construção de sua vida futura. Quanto à UERJ, ela os espera de braços abertos, pronta a oferecer o melhor de seus esforços para que o curso por vocês escolhido venha a ser a garantia de sua realização plena como profissionais e como pessoas.  

 

©2008-2024, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Todos os direitos reservados