Revista do Vestibular da Uerj
Uerj DSEA SR-1
Rio de Janeiro, 27/05/2018
Ano 11, n. 30, 2018
ISSN 1984-1604

Artigos

Reflexão Filosófica sobre a Bioética e a Técnica

por Ana Rosa Luz

Para dar conta do tema a ser trabalhado, percorreremos caminho histórico-filosófico. No primeiro momento, definiremos o sentido etimológico de ética, de modo a formar o nosso embasamento teórico. Em segundo lugar, explicitaremos certos preceitos filosóficos e históricos, para que seja possível, então, compreender como a noção de bioética e seus desdobramentos emergiram na cultura ocidental. 

Em seu sentido etimológico, o termo ética (ethike) é tudo aquilo o que se refere ao hábito (ethos), ou seja, ao modo de ser e agir do homem (BAILLY, 1950, 247) [...]

...sobre os livros de literatura indicados no Vestibular Estadual 2018

por

Os artigos abaixo falam sobre os livros de literatura indicados no Vestibular Estadual 2018, bem como das respectivas palestras do I Ciclo de Palestras, realizadas durante o ano de 2017 no Auditório 11 do Campus Maracanã. Os artigos são escritos por quatro doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ (por coincidência, duas Elianes e dois Guilhermes):

•   Primeiras estórias, de João Guimarães Rosa – por Eliane Campos

•  [...]

Como as palavras ajudam a tecer o real?

por Décio Rocha

Concluímos o texto anterior, referindo-nos ao conhecido verso de João Cabral de Melo Neto: “um galo sozinho não tece a manhã”. Aproveitando a imagem construída pelo poeta ao usar o verbo “tecer”, neste último texto da série “Sentido e força das palavras”, gostaríamos de ampliar um pouco mais nossa conversa sobre a relação entre palavra e mundo.

Uma dimensão da linguagem a que já nos referimos e que nos dá a ideia exata de sua multifuncionalidade e, por assim dizer, de sua quase onipresença em nossas práticas cotidianas é sua performatividade, ou seja, o poder que possuem alguns enunciados de realizar uma ação pelo simples fato de serem proferidos [...]

Colunas

Gustavo BernardoGustavo Bernardo

Da liberdade de expressão à liberdade de redação

Defende-se há alguns séculos o direito à liberdade de expressão. Com o tempo, a defesa desse direito se tornou quase consensual. O consenso se desfaz, no entanto, quando se discutem os limites da liberdade de expressão. Posso dizer ou escrever o que penso, mesmo que ofenda a determinadas pessoas ou grupos? Até que ponto a liberdade de expressão se confunde ou com a falta de educação, ou com o crime da calúnia? Tais perguntas são pertinentes tanto para artigos de jornal quanto para redações escolares, mas as respostas são as mesmas?

No caso dos artigos e de outros documentos públicos, algumas opiniões podem de fato configurar crime de calúnia, individual ou coletiva

Nílson José MachadoNílson José Machado

Maπemas III

LÓGICA

O Verdadeiro e o Falso foram acusados

Do pecado da aproximação indevida. 

Expulsos do paraíso matemático, 

Caíram na vida.

ANALÓGICO/DIGITAL 

Conspiração literal: 

Nada é mais analógico 

Que uma impressão digital...
©2008-2018, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Todos os direitos reservados