Revista do Vestibular da Uerj
Uerj DSEA SR-1
Rio de Janeiro, 19/09/2018
Ano 11, n. 30, 2018
ISSN 1984-1604

Artigos

Como não ler um texto: um estudo de caso a partir de uma questão do Vestibular Uerj 2009

por Sandra Bernardo (UERJ) e Diogo Pinheiro (UFFS)

O começo de tudo

A inspiração para este estudo surgiu durante a correção da prova de Língua Portuguesa Instrumental do Vestibular Uerj 2009, quando observamos grande número de respostas erradas de uma questão que, inicialmente, consideramos fácil.

Na tentativa de localizar o problema, analisamos 260 respostas selecionadas aleatoriamente, por região de aplicação de prova, dentre os 31.869 candidatos que compareceram à prova de Língua Portuguesa Instrumental com Redação do Vestibular Uerj 20091 [...]

Onde se encontra a força de um texto?

por Décio Rocha

“De onde vem a força de um texto? Da autoridade de quem faz uso da palavra? Ou será que quem tem força é a própria palavra?”. Eis aqui a reprodução mais literal possível – tanto quanto me permite minha memória – da pergunta que me chamou a atenção, certa vez, em uma aula de língua portuguesa no ensino médio. A pergunta se dirigia a uma aluna que havia feito uma exposição oral sobre tema constante do programa e era formulada em um tom benevolente pelo professor – algo do tipo “sei que esta é uma pergunta difícil, mas não me importarei se você não tiver no momento uma resposta definitiva e preferir continuar pensando nela [...]

Reflexão Filosófica sobre a Bioética e a Técnica

por Ana Rosa Luz

Para dar conta do tema a ser trabalhado, percorreremos caminho histórico-filosófico. No primeiro momento, definiremos o sentido etimológico de ética, de modo a formar o nosso embasamento teórico. Em segundo lugar, explicitaremos certos preceitos filosóficos e históricos, para que seja possível, então, compreender como a noção de bioética e seus desdobramentos emergiram na cultura ocidental. 

Em seu sentido etimológico, o termo ética (ethike) é tudo aquilo o que se refere ao hábito (ethos), ou seja, ao modo de ser e agir do homem (BAILLY, 1950, 247) [...]

Colunas

Gustavo BernardoGustavo Bernardo

Como mentir com números?

Na eterna querela entre os saberes, os torcedores das ciências ditas “exatas” recorrem com frequência aos números para melhor desqualificar os torcedores das ciências ditas “humanas”. Para encerrar qualquer discussão, nada melhor do que uma fórmula ou uma estatística, porque os números são sempre neutros e precisos, correto?

Talvez não. As chamadas ciências exatas não deixam de ser humanas: ao que nos conste, não se conhecem adeptos equinos, bovinos ou alienígenas

Nílson José MachadoNílson José Machado

Maπemas III

LÓGICA

O Verdadeiro e o Falso foram acusados

Do pecado da aproximação indevida. 

Expulsos do paraíso matemático, 

Caíram na vida.

ANALÓGICO/DIGITAL 

Conspiração literal: 

Nada é mais analógico 

Que uma impressão digital...
©2008-2018, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Todos os direitos reservados